Thursday, June 29, 2006

Relações à luz da biologia

Numa entrevista o neurologista Paulo Bertolucci (chefe do sector de neurologia do comportamento da Universidade Federal de São Paulo) tentou desvendar alguns mistérios dos relacionamentos entre homens e mulheres. Segundo Paulo Bertolucci os diferentes comportamentos podem ser compreendidos através da biologia: “O interesse dos homens no sexo é espalhar os seus genes. Para elas, é a sobrevivência da ninhada; elas têm de pensar no longo prazo”. Ainda afirmou que, mesmo parecendo tão remoto, o instinto de preservação da espécie ainda pesa nas atitudes dos homens e mulheres.

Como é que o cérebro feminino e o masculino reagem de forma diferente quando o assunto é o relacionamento: “Confirmou-se que cada um acciona uma área diferente do cérebro. Diante da fotografia da pessoa amada, o homem recruta áreas mais primitivas. A mulher recruta áreas um pouco mais relacionadas ao planejamento, elaboração a longo prazo. Isso sugere que para os homens a pessoa amada imediatamente remete à relação sexual. Para elas, envolve mais do que isso.”

As diferenças no cérebro também podem explicar aspectos que são motivos de eternas queixas dos homens sobre as mulheres e vice-versa. "Por que é que os homens acham que as mulheres falam demais?". Bertolucci disse que nesse caso há uma diferença anatômica no cérebro feminino para o masculino: “A região do cérebro responsável pela linguagem é maior na mulher. Uma das especulações pode ser o facto de a mulher ser aquela que cria. Ela precisa saber comunicar (com a cria)”, comentou. “O homem reclama talvez porque toma como padrão de falar o dele próprio, que fala menos.”

E por que é que os homens têm dificuldades em expressar os seus sentimentos? “Existe uma repressão cultural (“homem não chora”) e provavelmente uma base biológica. Para ter mais chances de acasalar, ele não pode mostrar fraqueza, se interpretarmos mostrar emoção (chorar) como sendo uma fraqueza. Principalmente em público, diante do grupo”

Bertolucci enfatizou que é positivo o facto de homens e mulheres serem diferentes. “As pessoas pensam muito nisso como competição, mas podiam pensar em complementariedade.”

Nesta entrevista também foi referido um facto peculiar sobre a existência de uma base biológica para a infidelidade masculina: o homem têm o interesse de espalhar os seus genes!

Resumindo e concluindo, o homem só pensa em sexo e punto... pois nos dias de hoje são poucos os homens que têm como objectivo a transmissão dos seus genes.. sexo sim, agora filhos não obrigado!

Monday, June 26, 2006

A Agência Reuters, O Sol Nascente, e o Golo contra o Déficit

Segundo a Agência Reuters, citando o Dr. Kunio Kitamura que não é nada mais nada menos do que o Director Nacional do Planeamento Familiar no Japão, os japoneses deixaram de fazer "o amor" e por isso existe a possibilidade de as gerações vindouras serem, em números, muito semelhantes ao número de simpatizantes do União de Futebol de Santa Comba Dão...ou seja...pouquinhos.


O Dr Kitamura analisou o estilo de vida e os problemas sexuais dos japoneses e concluiu que a grande solução é colocar as mulheres a falarem com os maridos sobre as questões da intimidade.

Eu não sou nenhum Dr Kitamura mas...a grande solução não deveria ser pôr os japoneses a fazerem-no à bruta?
As japonesas têm é que voltar aos tempos tradicionais do japão, vestirem-se de gueixas e devolverem o "Sol Nascente" aos Japoneses desgraçados que passam o dia a trabalhar que nem escravos para as mulheres andarem sempre satisfeitas com as roupinhas da moda, com os últimos gritos da cósmetica e da decoração de interiores...O único bico que os japoneses têm agora direito tou a ver que é mesmo o dos olhos...

PS:Ontem Portugal Venceu a Holanda e por causa desse jogo tive um sonho lindo. Sonhei que Portugal ia entrar em campo para mais uma eliminatória difícil...
O jogo começou, Deco pega na bola e passa-a para Cristiano Ronaldo, este faz uma valente revienga e engana o Déficit, passa para Figo que de uma assentada senta o Desemprego e a Criminalidade Juvenil e depois de calcanhar envia a bola para Maniche que olha para a baliza guloso mas prefere endereçá-la novamente para Deco que finta a Taxa de Insucesso Escolar e a Falta de Colocação dos Professores Nacionais, A Justiça Portuguesa falha a intersecção e a bola sobrou para Pauleta que cruza ao segundo poste onde aparece Petit de cabeça para finalizar e...e....É GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLOOOOOOOOOOOOOOOOO
GOLO DE PORTUGAL!!!!!!RIPA-NA-RAPAKEKA!!!!!!!

PORTUGAL 15 CRISE 0

Que sonho mais lindo!!!

Saturday, June 24, 2006

Danço, danço e nunca me canso…


Tenho saudades de dançar de me envolver nos braços em abraços.
Desta vez quero dançar uma dança diferente, muito diferente de todas as outras, apenas com os excertos mais bem sucedidos de outras danças, uma dança sem quedas e sem lesões musculares pelo meio.
Apenas uma queda, a queda do fim...a queda do cansaço. Cair morta de cansaço, cairmos cansados. Mas levantamo-nos e partimos sem mágoa para outra dança.

Não quero dançar nunca mais com bailarinos antigos, com bailarinos que já partilharam o palco comigo, não quero dançar com aqueles que me abandoram em palco em pleno espéctaculo, o carinho deles agora já não faz sentido algum, que dancem sozinhos... o tempo passa, as nossas necessidades de carinho mudam e eles jamais se conseguirão adaptar à minha forma de dançar, chega de piruetas cheias de dramáticos efeitos.

Quero um palco de madeira com um cenário que simule um leito branco, onde possa realizar uma coreografia em que os meus dedos e as minhas pernas se enterlacem com as de outrém e onde possa embalar lábios ao som do silêncio.

Um palco cheiroso, com cheiro de gengibre, de framboesas e de chocolate quente.
E não quero ninguém a assistir à minha dança, para poder fazer intervalos quando eu ou o bailarino quisermos. E como nós somos vedetas temos direito a todos os tipos de pequenos e prazerosos luxos, tais como: pequenos lanches de frutas nutritivas, bolachas de frutos secos, no meio do palco, no meio do cenário que simula um leito branco.

Thursday, June 22, 2006

O acordar

Hoje não vou narrar uma história encantada (que já chega de subtilezas) nem expor um comportamento observado no mundo animal (apesar de ser onde se encontra sempre bons exemplos da supremacia do sexo feminino), mas sim relatar uma situação, que algumas pessoas já viveram e outras poderão vir a viver, sobre um dos muitos comportamentos estranhos do homem.

O sol começa a despontar no horizonte... os raios a entra por entre as frinchas deixadas pela persiana, Manel e Maria a dormir o sono dos justos começam a despertar... um mexer daqui, um mexer de acolá... encontram-se por debaixo dos lençois e Maria enroscase entre os braços do seu Manel para ficar um bocadinho na ronha:

“Hum mor (smack) isso é tudo por estares contente por me ver?”

“O quê querida? isto? Ah não...”

“Não?! Andas a trair-me em pensamentos com outra mulher é?”

“Não Maria, não e não começes com as tuas cenas de ciúmes bobas” – com a voz transmitindo uma calma aparente vai pensando o Manel “ninguém merece tal sorte acordar com uma cena de ciúmes! E tou tão aflito para mijar... dasse” – “que isto é só tesão de mijo”

“Ah que alivio então... saber que te excitas mais depressa com o mijo do que com a minha presença!” – esboçando um sorriso Maria pensa “mas quem é que se excita com mijo?! Estes homens são mesmo esquisitos!”

Passaram-se anos e Manel e Maria lá se foram entendendo e conseguindo ultrapassar as várias intempéries da vida de casal.

Certo dia Manel acorda a meio da noite com o seu manelito pronto para a luta e tenta aproveitar a deixa para fazer “o amor” com a Maria, pois os anos não perdoam e a coisa andava a caminhos de Manel começar no comprido azul:

“Maria, Maria acorda, estou aqui pronto para a ramboia... vamos aproveitar!”

Ao que ela respondeu sem mexer uma pestana, um fio de cabelo, um dedo:

“Vai mas é mijar que isso é só tesão de mijo!”

A Barata e a Internet

Já aqui se falou em Salmão, Kasuares e Louva-A-Deus...permitam-me que vos devolva a referência ao reino animal.Segundo li na mui prestigiada e científica MaxMen, uma barata consegue viver 3 dias sem a cabeça...findado este período acaba por morrer de fome.

Estão a pensar no mesmo que eu?Os homens não conseguem viver nem 10 minutos sem a "outra cabeça"...

PS: Segundo li no Expresso, os portugueses podem, a partir de agora, ver via internet a qualidade da água das praias antes de sairem de casa.

Não me parece má ideia mas para quando o serviço internet que me diga a qualidade da areia das praias??
Sim, para quando um serviço que me diga a qualidade das gajas que vão estar na praia da Morena no próximo Domingo antes de eu sair de casa?E se vai haver ocorrência de topless?

Tuesday, June 20, 2006

O Cúpido está senil...!

Não sei o que se passa com o Cúpido… mas estou muito preocupada..!

Nos últimos tempos tenho visto casais incrivelmente estranhos... como diz a minha avó que é testemunha de jeová: “São as cenas fantásticas dos últimos dias....”. E é da mesma forma, com que a minha avó assiste atónita às tragédias sensacionalistas que passam no noticiário da TVI, pedindo ao senhor Jeová que apresse o dia do juízo final, que eu observo os casais estranhos que se passeiam à minha volta e peço às fadas para me levarem para o outro lado do espelho e para longe do Cúpido.

O Cúpido há uns anos atrás não era assim! Era um deus atinado, disparava correctamente as setinhas, acertava sempre no alvo. Era uma maravilha!
Os meus avós ainda tiveram a sorte de apanhar o Cúpido num estado lúcido, saudável... nessa altura ele ainda não estava senil, quem diz senil diz drogado, acho que ele tem andado a meter cogumelos alucinogénicos. Os meus avós são casados há cinquenta anos, e a paixão que eles sentem um pelo outro é a mesma que sentiam quando tinham quinze anos, um dos últimos bons trabalhos do menino Cúpido.

Mas ultimamente, não sei o que se tem passado com esse Deus! Eu própria tenho sido vítima da má pontaria e da senilidade desse puto corado de fartos cabelos cacheados, que se entrentem a fazer pontaria a tudo o que mexe...qualquer dia ainda me apaixono pelo Paulo Portas...!!! Quer dizer...vamos lá parar com esta brincadeira!! Não foi essa a educação que Vénus e Mercúrio deram ao seu rebento..!

Monday, June 19, 2006

Os sapos e a princesa

Num reino não muito distante, vivia uma princesa...

Quem olhasse para ela diria não existirem motivos para andar triste. Era amada por muitos, não lhe faltava nada... A verdade é que a princesa andava angustiada... não conseguia encontrar o seu príncipe encantado!

Antigamente, a princesa gostava muito de se divertir. Quando se organizava uma festa no castelo ou na praça principal do reino, ela lá estava. E na maior animação! E adorava divagar pela floresta, onde comungava com a Mãe Natureza. Os seus companheiros de brincadeira eram os animais, as fadas e os gnomos que gostavam de lhe pregar partidas...

Uma das muitas partidas pregadas pelos gnomos foi terem enfetiçado um trovador com a canção : “Everybody, everybody, let's get into it. Get stupid. Get retarded, get retarded, get retarded.” A princesa achava que os gnomos tinham ido longe demais desta vez… colocar o povo a cantar e a dançar ao som desta música como se fosse um hino?! Certo que a princesa sabia da existência no seu reino e nos reinos vizinhos de gente estúpida e retardada, e pensava ela: “Como é que os reinos, a civilização, o mundo ande pra frente se o povo se deixa ir com tal partida?! Será que estamos perante a decadência/demência do ser humano?!”

As estações e os anos passavam e a princesa crescia, alheia aos prenúncios de desgraça... As fadas não conseguiam esconder a sua preocupação. E decidiram avisar a princesa:

- Princesa, o príncipe encantado que te fala em sonhos encontra-se sob um feitiço, uma bruxa malvada transformou-o num sapo... O antídoto para quebrar o feitiço é um beijo teu. Mas cuidado, pois muitos outros homens também foram transformados em sapos!

Quando ouviu isto, a princesa sentiu-se um bocado repugnada. Ter que beijar um sapo? Não entendia bem aquele aviso... mas como amava todos os animais, ultrapassou a repugnância inicial e começou a pensar como é que iria descobrir que sapo era o seu príncipe... Não conseguia achar resposta. Tinha que confiar na sua intuição e na boa ajuda das fadas.

E lá começou a sua demanda.

Um sapo apareceu...a princesa beijou-o...nada aconteceu. Outro sapo... outro beijo... e transformou-se num belo rapaz! Mas logo o rapaz se transformou em borrego - a bruxa malvada tinha feito segundo feitiço para iludir a princesa. Quando ela beijasse um sapo, ele iria parecer um belo príncipe, e quando a princesa se encantasse por ele, transformar-se-ia em borrego.

E assim... a princesa beijou alguns sapos, uns poucos transformaram-se em belos rapazes, mas, no final, todos acabaram por se metamorfosear em borregos, enquanto outros permaneceram na sua condição de sapo...

A princesa era teimosa e não iria desistir da sua procura! Mas estava cansada... A alma dela chorava com tão terrivel feitiço lançado pela bruxa malvada... nas alturas em que se encontrava mais deseperada, angustiada, enraivecida, gritava para quem a quisesse ouvir:

- QUANDO É QUE ACERTO NO SAPO QUE NÃO SE TRANSFORMARÁ EM BORREGO?!


Moral da história: borregos há muitos...príncipes...esses são escassos!

Sunday, June 18, 2006

A Feira da Ladra, A Cowboyada Étnica e o Futuro

Na semana passada, como estudar é para os tansos, aproveitei o período de exames para me deslocar à Feira da Ladra e ver que pechinchas poderia encontrar.

Lá encontra-se de tudo e por isso tinha a secreta esperança de encontrar um DVD, de edição limitada, com os melhores momentos ao vivo dos concertos da Tonicha. Acabei por encontrar um do José Cid (http://youtube.com/watch?v=jBLYaBZcwyg&search=jos%C3%A9%20cid) com as suas versões da Banda Sonora Original do novo filme do 50 Cent. Peça de coleccionador.

Mas esta não foi a única compra que fiz…quando me preparava para abandonar aquela mui nobre superfície comercial, reparei numa tenda tão sinistra e reclusa que só poderia estar a vender material porno. Naturalmente que fui até lá e a surpresa não podia ter sido melhor.
A tenda, que do lado de fora não parecia ter mais que 5 metros quadrados, era na verdade um aloja de aspecto futurista que mais se assemelhava a um cruzamento entre o Centro Comercial Colombo e um laboratório da Nasa. Ao entrar percebi imediatamente que esta não era uma tenda cigana vulgar…

Na entrada, do lado esquerdo, havia uma recepção ao estilo do Four Seasons, onde uma jovem de etnia cigana, com um vestido ultra-sensual e decote assassino, me disse com uma voz quente:

“AIIIIIII Freguêêês, bem-vindo à nossa vendaaaa!”
Pensei: “Tas no papo...vou fazer o amor à bruta contigo esta noite”

Perguntei-lhe que tenda era aquela e o que vendiam. Sorriu e com aquela voz tropical explicou-me que vendia equipamento para viajar no tempo, vacinas contra a gripe das aves, o 4º segredo de Fátima, a cura para o cancro e ainda peúgas e “trusse” do melhor linho tailandês e tudo a 5 euros…Regateei um aparelhómetro que permitia viajar no tempo e um par de “trusses”e expliquei-lhe que só dava 3 Euros. Ela anuiu facilmente e com aquela voz de melão com presunto sussurrou-me ao ouvido:

“AIIIIIIIII Nazareno d’um cabrãããooo que me levas à falênciaaa”
Pensei:”Claramente estás no papo… vou fazer o amor à bruta contigo esta noite”

Deixei-lhe o meu número de telefone e ela prometeu mandar-me naquela noite uma MMS com uma foto dela toda descascada:

“AIIII qualquer número qal quêêêii? E se fossis mazé pó %#”/”$ ?
Pensei”Tas no papo. Desejas-me tanto como o Cláudio Ramos deseja um exame à próstata”

Fui para casa com a firme convicção que era uma questão de tempo até ter uma cowboyada étnica lá em casa…

Cheguei a casa, arrotei, cocei os tomates e bebi uma cervejinha, 3 horas depois já tinha os tomates irritados e foi nessa altura que me dei conta que ainda não tinha experimentado o aparelhómetro de viajar no tempo que tinha comprado horas antes.
Liguei-o, e depois de um infernal show de barulhos e luzinhas, ouvi-o fazer uma pergunta:

“Para Onde Deseja Viajar?”
Pensei: “Para os braços da Scarlett Johansson”
Repliquei: “Para o Futuro

Bem dito, bem feito. Do aparelhómetro saiu um feixe de luz que me engoliu e levou para uma dimensão onde só existe uma rua sinistra com 3 discotecas e um porteiro em cada – A discoteca Passado (para entrar precisas de te lembrar do nome verdadeiro do Avô Cantigas), A Presente( para entrares precisas de saber qual a taxa de desemprego entre jovens) e a Futuro (para entrares precisas de construir uma frase que contenhas as palavras Portugueses, Portugal, Futuro, Economia Brilhante e Super-Potência sem puderes mentir. O porteiro confidenciou-me que nunca ninguém tinha conseguido entrar na Discoteca Futuro. Desanimei e num acto de desespero ofereci-lhe a foto que tinha recebido da cigana toda descascada. Ele aceitou e eu entrei na Futuro

Entrei confiante no ano de 2096…e o Mundo era Perfeito!

.Para se casar era preciso obrigatoriamente um acordo pré-nupcial
.As mulheres eram todas bissexuais
.Não haviam gajas freaks na rua a fazer malabarismos e a cheirar mal do cabelo
.As gaijas usavam a lógica nas discussões entre casais

Quando me preparava para explorar mais o ano de 2096 fui expulso pelo porteiro da discoteca Futuro…aparentemente não podia lá estar de ténis…

Saturday, June 17, 2006

…sobre o sexo

… Há quem acredite que muito do que fazemos no dia a dia é em função de criar oportunidades para copular, há estudos que indicam que é muito mais importante para qualquer um de nós do que nos chegamos a aperceber… o mundo selvagem está cheio de exemplos intensos sobre o que uma criatura pode fazer para dar uma queca.

Atentem ao caso do salmão, para os celtas um peixe que simbolizava a sabedoria, e mesmo ele se lança numa demanda contra os rápidos e correntes de um rio, fazendo frente a ursos esfaimados, para quando chegarem lá acima, os deteriorados peixes, darem uma queca e falecerem de cansaço. Conseguem focar este ponto, vamos reflectir sobre isto?

O ímpeto que leva uma criaturazinha de 5 kg a tentar mudar o sentido da corrente de um grande rio, tal é a gana com que se lançam em cardume às águas bravas, e pelo meio encontram-se com predadores exponencialmente maiores, com patas munidas de garras tão selvagens que fariam recuar até o diabo… e mesmo assim eu não os vejo amainar o passo.

O que pensará um bicho, na posse de razão, no meio de um desses cardumes, a ver irmãos a serem esventrados e devorados vivos, e nos entretantos ainda fazer frente à torrente, batendo nas rochas e sendo cuspido vivo pela força da água…

"Oxalá valha a pena!"

"Se a Maria não se vir nos primeiros momentos estoiro…"

"Eu devia ter ido para Padre!"
???

No mundo humano isto deve ser semelhante a termos que esperar até casar para ter sexo, e depois morrermos de ataque cardíaco durante o orgasmo, porque em certa medida, todo o processo que nos leva ao fechar o contrato matrimonial é em si uma hecatombe de água furiosa, onde para alem de cabeçadas nos calhaus e engolir muitos pirolitos, temos ainda de enfrentar grandes ursos, (a começar pela família do cônjuge).

E depois de copular, as criaturinhas não fumam um cigarro, nem vão tomar banho, é uma tragédia em 3 actos, já viram as cenas? Os corpos dos bichos corrente abaixo, ursos quais abutres, fazendo-se aos moribundos… é uma desgraça.

Mas eu admito, que a qualquer momento, (agora mesmo por exemplo), me lançaria aos rápidos do Zambeze, e enfrentaria todas as cascatas de muitos metros de altura, lenharia a minha carne nas rochas afiadas pelos anos de castigo, e enfrentaria todos os crocodilos do rio, e até mesmo ursos se tanto a sul os houvesse, por um belo pedaço de …

Quanto aos Salmões, penso que poderiam chegar a um acordo, e consumar o acto cá em baixo, onde o rio desagua, usufruindo assim de pelo menos duas vantagens:

Os machos já não teriam que subir, e ficariam livres no oceano, aguardando o próximo ano

E as fêmeas iam mais contentes e com mais speed rio acima, depois de levarem a fdeca não haveria rápido demasiadamente forte nem urso demasiadamente rápido que lhes metesse a unha, ia ser uma alegria até lá acima…

Um grande bem haja a Miguel Torga que me ensinou que os bichos também pensam, sentem e falam, quando assim tem que ser.

Friday, June 16, 2006

Sem dó nem piedade..!

“Vamos jantar?”
Achei por bem dizer que sim, a amizade deve perdurar, a amizade é o mais nobre dos sentimentos.
“Vamos! A x horas no lugar y, parece-te bem?”
Lá estava o menino à minha espera, pontual, como sempre. Pedi-lhe para me contar as histórias da última viagem. E começámos...entrámos numa feira de vaidades sem volta, entrámos na feira das vaidades e da crueldade e lá permanecemos até ao fim da noite.

Tive revelações fantásticas nessa noite, sobre hábitos culturais polacos e checos. Em Varsóvia, parece que as gajas atacam os gajos. Nem água vai, nem água vem, chegam-se perto dos moços (têm preferência por morenos, segundo esta fonte que me parece pouco fidedigna) e pimba, beija uma, beijam duas...enfim, parece que elas se servem dos pobres coitados, e eles nem têm direito a ripostar, parece que numa noite de varsóvia um homem pode ser molestado por cerca de seis ou sete mulheres. Isto é com aqueles que dizem que têm casos pendentes nos seu países de origem, porque os que são completamente descomprometidos, podem mesmo ser violados.

Parece que em Praga a história é idêntica...elas aproximam-se quando eles estão a entrar nos restaurantes, sabem que o bicho homem é uma presa fácil, fixam-se a eles da mesma forma que uma iguana das Galápagos se fixa a uma rocha quando come as suas alguitas, e depois quando têm oportunidade, “TOMA LÁ MORANGOS!!”, do estilo: “Já que não aprendeste checo, aprende lá qualquer coisa com as checas.”

Devem imaginar o quanto fiquei sensibilizada com as histórias de viagem desta minha ex relação kármica. Principalmente porque ainda estávamos a repensar a nossa relação, e o pobre menino, foi vítima destas “gaijas”, e eu nem estava por perto para lhe dar um colinho carinhoso.

Contei-lhe que durante a viagem dele pela Europa, fui convidada por um amigo meu para um jantarinho e para assistir um dvd do Grande Pedro Almodóvar, o moço estava preocupado com as minhas saudades e resolveu ser um bom ouvinte, um bom amigo. Disse-lhe que tinha sido um bom serão, que a comida preparada por esse grande amigo era da melhor qualidade, assim como a sobremesa.

E a ex relação kármica ruborizou, ficou uns minutos sem pio, olhou-me nos olhos.

E continuámos a pisar nas feridas um do outro. Sem dó nem piedade...!

O telemóvel toca...

4:30 da manhã... sono leve que os acontecimentos da vida não deixavam margem para o contrário... o telemóvel toca... número privado... meia acordada, meia a dormir lá atendo a chamada “Tou” “Fofinha tás boa?” fogo quem é esta personagem?! “Tou bem sim” “Fofinha...hum...fofinha” “Sim, que se passa?” tentava achar a cara na minha cabeça que se encaixava na voz que ouvia... “Fofinha... ah...ah...ah...ah... fofinha” mas que merda é esta! “Tou? Tou? Que se passa?!” Deixou de pronunciar palavras polissílabas... começaram só a ser proferidos grunhidos monossílabos cada vez mais ofegantes... mas que carago... lá deve ter atingido o clímax que os grunhidos começaram a chegar a um ritmo estonteante... chamada abaixo!

Como é que posso eu continuar a alimentar o sonho da criança que vive dentro de mim de que ainda existem, algures por aí, príncipes encantados se na rifa só saem duques e cenas tristes?! Ninguém merece tal sorte... linha erótica gratuita de borrego tarado insano!

Thursday, June 15, 2006

Afinal qual dos sexos é o mais estranho?!

Semana académica... o telemóvel toca... 1 mensagem recebida: “Olá, tás boa? Sempre que vejo a lua cheia lembro-me de ti.... vais algum dia à queima?”, cara a minha ao ver esta mensagem... já algum tempito se tinha passado desde o último contacto, o desencanto já estava a ocorrer e nem sei se seria sorte ou azar meu ele se lembrar da minha existência pelo menos uma vez no mês! Mas lá respondi, menina educada nunca deixa ninguém pendurado, que sim que ia ao recinto no dia a seguir... resposta obtida “eu não devia ir mas acho que também vou... se for eu digo alguma coisa para nos encontrarmos... beijo”... por mim tudo bem, até já tinha dado o caso como perdido!

Dia a seguir, nada de nada... no outro dia sinal de vida “ontem não fui ao recinto... perco a vontade sempre que penso que tenho que me levantar cedo para ir trabalhar no dia a seguir... devo estar a ficar velho e a ganhar juízo!”... tudo bem, cada um sabe de si e quais as suas prioridades nesta vida!

Ultimo dia da queima... a meio do último concerto o telemóvel toca “ estou a ir agora para o recinto” “ que bom! Quando tiveres por cá diz por onde páras a ver se nos encontramos”... já não contava com o encontro, mas no final lá nos conseguimos encontrar... falamos durante uns minutos até que ele me diz “Vou ali ver se arranjo algo para a gente fumar. Já venho tá” Continuei para lá a falar com o resto do pessoal... a dançar... a beber... e nada dele aparecer... já tava a ficar a deitar fumo pelo nariz... telefono...nada... telefono outra vez.... nada... mensagem “para que é que vieste ter comigo se afinal não querias estar comigo?! Mais vale dizer de uma vez o que se passa e resolvemos isto e ninguem chateia mais ninguem!” resposta “Não entres nesse filme! Vim para casa dormir que amanhã acordo cedo. Diverte-te”

Pra merda que para isto não tenho paciência... e faltas de respeito não é coisa que eu tolere ...já vais ver qual o meu filme... eliminado! Burra fui eu por ter ignorado o aviso dado pelas fadas...mas queremos sempre acreditar que as pessoas não são assim tão falsas...

Passado um mês... mais específicamente início desta semana... e coincidência das coincidências plena lua cheia... muito descontraidamente entro no messenger, cara de tacho a ver quem tava online... nada mais nada menos que o menino que adaptou a velha frase “vou ali comprar cigarros e já venho” para “vou ali arranjar um cigarrinho da paz para nós e já venho”... outra vez menina bem educada e não havia motivos para deixar de comunicar de vez com tal espécimen, pois o passado era passado... “olá, tás bom?” “cá vamos... estou em exame” “ah desculpa...vou ficar caladinha então” “atão? Tás tola!”... já a ficar meia virada lá explico (pelos visto é como o anúncio da TV “explica-me como se eu tivesse 4 anos”) “se tás em exame não vou falar contigo né!” “ah não, ainda não estou agora... ainda dá para falarmos um bocadinho” “tá bem... boa sorte para o exame então” “obrigado”... offline.

Ainda dizem que nós é que somos estranhas... quem entender o que vai na cabeça dos gajos e souber afinal o que é que eles querem me explique... mas também... siga para bingo... que para borregos destes não tenho eu paciência!

Wednesday, June 14, 2006

Variações sobre o tema I

Numa bela tarde de jogos de futebol, jardins e esplanadas, bem regada por cerveja de trigo, de jogo em jogo e de esplanada em esplanada, com uma amiga, com amigos dela, com as bandeiras respectivas pintadas na cara. Eu português, os demais alemães.

Jogo Angola-Portugal

No intervalo chegou o casal em falta, apresentaram-se, sem grande tempo para conversa que o jogo recomeça. Ela. Não comunicámos mais que umas anuências formais de quem se desvia da conversa, uns sorrisos de com licença e uns topanços de rabo nas discretas mudanças de direcção. Estou preocupado com a cara onde tenho a bandeira pintada, no bar africano onde estamos a ver o jogo, mas reina a paz e a cevada.

Acaba o jogo, saímos do bar para o passeio e fora de cena o namorado, estamos poucos de volta de conversa ligeira de contexto, ao que me diz ela, que bem falas inglês e estás a aprender alemão é, pois olha, podíamo-nos encontrar se quiseres para aprendermos juntos, sempre praticava o meu inglês! Comecei a gostar, não fosse esta a grande utopia de paridade de papeís entre géneros, mas ainda assim procurei mas não vi as letrinhas miudinhas do contrato/proposta dela, o que fez disparar o sensor aranha, pois não é preciso ser santo para desconfiar de tanta esmola na primeira ida à missa.

Disparei o piloto automático e desembrulhei o sorriso tipo "Claro querida" toma lá papel e lapiseira que eu com estas cenas não brinco, desenha lá aí os teus números que já te deixo na caixa dos programas de fim-de-semana que hão-de vir. Quem veio logo a seguir também, foi o namorado dela que já trazia armado o sorriso amarelo de quem encontrou a horta toda pisada pelo vizinho, pois entre os cliques das lapiseiras, o escrever dos indicativos do fixo e do telemóvel e o dobrar do papel, já o macho tinha topado que a carcaça não estava morta e ainda estrebuchava. Vai de lhe meter a unha e beijos de marcação territorial, mostrando que a papelada não estava assinada por ambas as partes no cartório, ao que aguçei o dente de predador desinstitucional... Tudo isto ritmado com o zumbido da cerveja na minha cabeça, estava a ser o momento alto da minha tarde, não tivesse sido o jogo uma lástima.

Ela forçou-se a explicar e lá lhe comentou que me tinha dito que nos haveríamos de encontrar para ela praticar o inglês dela e tal, ao que o gajo contraiu os musculozitos todos para espremer a piadinha cínica de fecho, "aha, vê lá se também queres aprender a falar português"... És engraçado, pensei, então fiz conversa de manso com o gajo para ver qual era o endurance do gajo na maratona de sorriso amarelo e falei-lhe de quão difíceis são os verbos irregulares do português, e ao fim de alguns minutos de gramática ele resignou-se ao troféu de marfim. Curiosamente, ele também quis o meu número e apeteceu-me reencaminhar para o meu agente, mas facultei. Seguiu-se a despedida e a ela deixei-a pendurada na corda sem lhe dizer nem sim nem sopas, mas isto não quer dizer que não lhe vá ligar, quer dizer só que sou um bocado sujito. Queres festa?

Hás-de ser minha amiga que te lixas.

Tuesday, June 13, 2006

Louva-a-deus espécie superior...

O ritual de acasalamento dos Louva-a-deus começa quando o louva-a-deus macho atinge a maturação sexual e começa a procurar uma fêmea, e como outros machos ele é atraido por “programação” genética e por um cheiro irresistivel de uma feromona segregado pela fêmea que mostra que se encontra receptiva para acasalar.
Quando o macho é atraido pelo cheiro ele aproximasse da fêmea com cuidado, pois o louva-a-deus macho é mais pequeno que a fêmea, sendo fácilmente domado por ela. Por isso, ele tem que se aproximar da fêmea muito cautolosamente e muito devagar, preferêncialmente enquanto ela se estiver a alimentar. Se a abordagem for muito obvia, ele dificilmente vai sobreviver para passar os seus genes, logo o tipo de corte mais comum é quando o macho se aproxima da fêmea frontalmente, abrandando a sua velocidade quando se encontra bem próximo dela e a fêmea coloca-se em posição que indica que se encontra receptiva.
Quando a abordagem é bem sucedida, o macho salta para as costas da fêmea, agarra-a firmemente com as suas patas e pentra o seu pénis no ovipositor da fémea. Neste momento a fêmea vira a cabeça para trás e começa a comer às dentadinhas a cabeça do macho, pois a
cabeça deste têm que ser removida para que o acasalamento seja devidamente efectuado. E isto por quê? Porque ao devorar a cabeça do macho, a actuação dos centros nervosos secundários abdominais restantes no parceiro faz com que a fecundação ocorra de forma muito mais eficiente e premite que o macho complete o processo de acasalamento sem a cabeça!

Curiosidade: Estudos científicos demonstram que uma cópula de louva-a-deus pode durar em média 6 horas!!!

E ainda dizemos nós que somos a espécie superior... quando a média da nossa cópula dura segundos... vá... minutos... e para atingirmos um orgasmo é necessário ter sorte e o parceiro mostrar a sua melhor performance e este pequeno bichinho consegue-me obter orgasmos múltiplos!

Era uma vez.....

In: http://www.kukuxumusu.com/

Era uma vez...
numa linda e verdejante floresta das terras nórdicas, a poucos kilómetros da casa do Pai Natal, um lobo muito mau, muito, muito mau. Com sobrancelhas levantadas, ao jeito de Don Juan e com a dentuça sempre arreganhada.

Era tão feroz que capturava presas mesmo quando não tinha apetite, comia apenas uma ou outra parte da dita presa e deixava o restante alimento para os animais necrófagos da floresta. Afiava as unhas, abria a sua boca imensa cheia de dentes brancos e cintilantes, incandeava as pobres presas com o seu sorriso e Nham, Nham...!
Ele era o terror da floresta!

O lobo viveu anos nesta vida, e como ele era um predador de topo, nunca nenhum animal da floresta tinha ousado sequer dar-lhe uma leve dentadinha na orelha.

Um certo dia, a floresta recebeu duas novas habitantes. Uma menina e a sua avó, estavam cansadas do ritmo acelerado da cidade, queriam encontrar paz e exilaram-se na floresta.

O lobo foi o primeiro a saber da notícia, carne fresca na área, já sentia água na boca. Preparou cuidadosamente uma tarte de frutos vermelhos e foi visitar avó e neta.
Quando chegou, apresentou-se com o seu sorriso gigante e com a sua apetitosa tarte, obviamente que foi prontamente convidado a entrar.

A avó pegou na tarte, levou-a para a cozinha chamou a neta e segredou algo no ouvido da menina, a neta acenou que sim com a cabeça e ambas sorriram.

Lobo e neta sentaram-se no sofá, conversaram horas a fio, o lobo acabara por se esquecer do propósito da visita, estava encantado com a menina, ela era doce, tinha um cabelo dourado, era muito bonita, ele estava encantado com o vestido leve e vermelho que ela trazia vestido, de vez em quando ela gesticulava enquanto libertava palavras doces e ele podia ver um pouco do soutien vermelho.

Ele estava deliciado com ela, e ela parecia deliciada com ele, mas não estava. Ela era uma investigadora experiente ( mestre e doutora por extenso, em dieta de Canídeos).

O lobo perdera a vontade de a devorar parcialmente, como era de seu hábito, tinha vontade de a devorar dos pés às pontas do cabelo dourado. Estava mesmo disposto a dar-lhe a pele, para ela fazer um tapete e passar sobre ele com os seu sapatinhos vermelhos, todos os dias da sua vida.

E foi assim, apenas com palavras doces que o lobo passou de rei da floresta a caniche de estimação de avó e neta. Agora passeia de trela ao domingo de manhã pela mão da menina, passou de predador a presa.

Está na base da cadeia alimentar e no topo está uma menina de cabelo dourado e roupa interior vermelha. Ele agora gane e ela uiva nas noites de lua cheia.

AUuuuuuuuu....... AUuuuuuuuuu.................

O Teste do Polígrafo

Meus amigos, venho por meio desta missiva pedir-vos que iniciemos uma petição para ser entregue à Assembleia da República com o mui nobre objectivo de criar um projecto-lei que proíba as mulheres de nos fazerem perguntas depois de fazermos sexo(à bruta) com elas.
Como vós "sabeizes" os momentos antes e depois do orgasmo são particularmente complicados para nós conseguirmos ser minimamente racionais. (ler: conseguir mentir-lhes à grande)
Antes do orgasmo nós dizemos qualquer coisa para elas ficarem satisfeitas e nos deixarem estar sossegaditos "na nossa cena" e depois do orgasmo não conseguimos mentir-lhes e ficamos extremamente sensíveis (raios partam, por diversos motivos, o período refráctario).
Assim, existe a obrigatoriedade de criar esta lei para elas não nos moeram a cabeça depois do sexo(NÓS QUEREMOS DORMIR!!) e para impedir que nos tornemos numa cambada de maricas(já viram como ficam depois de fazer "o amor" ?). Para certificar que a lei era cumprida proponho que haja sempre uma agente da GNR presente em todos os actos...de preferência que seja uma agente que também goste de sarrafusca...
PS:A minha namorada é um máximo. Esta manhã disse-me:
"Jaime, esta tarde dá o fantástico jogo da Coreia do Sul contra o Togo.Vamos ver? Prometo levar-te ao sofá uns acepipes e umas cervejinhas durante o jogo. Se quiseres visto o meu "fatinho" de enfermeira e dou-te prazer oral sempre que o Togo(essa super potência do futebol mundial) marcar um golo"
Esta tarde sou do Togo desde pequenino...

Monday, June 12, 2006

Mitos Urbanos

Parece que é um dado adquirido: as mulheres não têm prazer sexual, são frígidas, e nem tão pouco sabem o que é o desejo sexual.

Sendo assim, porque motivo existem cada vez mais mulheres a optarem por relações curtas e fugazes? Se para elas sexo é sacríficio (segundo algumas opiniões masculinas) porque motivo não se envolvem elas em relações estáveis e duradouras? Estas relações são conhecidas pela pouca qualidade sexual que acarretam e pela monotonia certeira!!! Seria de esperar que estas relações fossem um escape para a falta de desejo sexual feminino....

Vocês meninos, têm razão! Devemos ser realmente estranhas ou contraditórias...!

Um conselho, não se deixem iludir por gemidos estridentes, confiem no silêncio e numa respiração ofegante, é sinónimo de satisfação em 99 % dos casos.

Believe me!!

Sunday, June 11, 2006

...sobre olhinhos verdes

Hoje vou ser lamechas… e falar-vos de hortas
Já repararam como depois da primavera tudo o que dá grelo começa a espigar? É do calor a mais e de rega a menos creio eu…

Na primavera começam a florir por ai essas plantinhas autóctones que nos cobrem o dia de alegria, frescas e ao sabor do vento, em todas as formas e cores, umas mais pesadas, outras mais leves, mas todas elas muito comestíveis… Nesta altura qualquer grelinho se come bem só com uma entaladela…mas quando chegam as ondas de calor, essas mesmas coisas tenras e frescas tornam-se mais rijas, umas secam demasiado, outras ficam todas machadas, e se as quiserem consumir tem de a coser por muito tempo… eu podia dar-vos algumas receitas para pulverizarem a vossa planta, mas acredito que o melhor conselho é o de as comerem na altura certa, e o mais perto do cru possível, com os talos verdes…

Quando olho para lá para fora, e vejo aqueles olhinhos verdes a florir, toda aquela vivacidade, tão tenra e cheirosa, tão virgem, só me apetece sair para a horta com uma faca…

Então já sabem, assim que aparecer o grelinho, STAU!

Friday, June 09, 2006

Bicho homem:predador voraz, oportunista e generalista...

Rock in Rio, 40 graus, um sol tórrido idêntico ao do deserto de Atacama, e uma quebra de tensão eminente...

Ainda eu estava a tomar consciencia do meu estado, e já voava sobre mim um bando de abutres de t-shirts brancas com um logotipo rosa do Millennium BCP. Seguraram-me pelo braço, um deles abraçou-me pela cintura, ofereceram-me água fresca, um barra de cereais, uma cadeira e o mais extravagante: uma sombra!

Bem, realmente fiquei fascinada e estupefacta com tão pronta ajuda. Quando já me sentia melhor, levantei-me da poltrona principesca, e fui ao encontro daquelas criaturas tão solidárias, para agradecer todos os cuidados prestados.

Depois de agradecer ouvi uma voz, como se viesse do além..:

"Como te chamas?"

Respondi.

"Será que posso ficar com o teu número de telefone, para nos encontrar-mos mais tarde?"

Simulei o segundo mau estar, fingi que não ouvi e segui em direcção ao ritmo dos "Orishas".

No meio de tantas gazelas saudáveis, esbeltas, aquele bando de hienas tentou a sorte com a gazela mais fraca e enfezada.

O bicho homem tem um apetite voraz, além de que, os seus hábitos alimentares são oportunistas e generalistas.

Wednesday, June 07, 2006

O Casam…O Matrimó…bolas não consigo dizer a palavra proibida!

No filme de M.Night Shyamalan “A Vila” existe o nome de uma cor que não pode ser dita. Na minha vida há uma palavra que não pode ser pronunciada sob pena de ver o meu futuro a ser sugado para um gigante buraco negro cujo campo gravitacional é tão forte que nada consegue sair…nem mesmo os arguidos dos processos Apito Dourado e Casa Pia (e olhem que da arte suprema de se safarem percebem eles).

A Igreja é tramada pah. Primeiro com a Inquisição queimavam a malta…agora com o Casório enforcam a malta…dassss…ainda dizem que o Senhor é Amor e que a Igreja se penitenciou com os crimes que cometeu no passado…

Casório é atestado de pau-mandatiçe…a partir do momento em que o Xô Padre concede a autorização ao enforcado para dar um bêjo à noiva, o enforcado acaba de assinar um papel que diz que vai viver o resto da vida como trabalhador a viver para conta d’outrem…renuncia a trabalhador a viver por conta própria.

Ganha-se em benefícios fiscais perde-se em cowboyada…

Cada um é como cada qual…há quem goste de se auto flagelar com um cilicio cravado na perna, há quem goste de pôr álcool etílico nas feridas e há quem goste, imaginem, de ver o Sporting “jogar”, e há quem goste de se enforcar com o casório.

Eu pessoalmente acho que o casório dá trabalho...e se há coisa que este amigo não gosta é de trabalhar, afinal de contas o meu pai é funcionário público desde 1967 e desde cedo emulei os tiques do meu pai (aproveito a oportunidade para mandar um abraço ao meu Pai…não, vou antes mandar-lhe um mail para ele ler lá no trabalho…assim as 3 horas de labuta diária na Câmara passam a modos que mais rápido).

Por isso já avisei os meus amigos…pah se um dia eu me meter na droga, se um dia eu for para o casino apostar fortunas…deixem-me nessa vida…agora se um dia eu me chegar ao pé de “bócêzes” e disser que me quero casar…epah aí sim: SALVEM-ME!

Tuesday, June 06, 2006

A maior, mais bela e Inútil bandeira do mundo

Já houve quem tivesse dito que faltava lá um mastro, pois eu digo que faltava dois dedinhos de testa…

Com tanta coisa importante para fazer, tantas causas verdadeiramente construtivas que poderiam ter grande impacto na sociedade… elas juntam-se para fazer um desenho… mais a mais um com tal significado… nos dias que correm, uma bandeira pode simbolizar aquilo que devíamos combater, as fronteiras, o nacionalismo totó que existe isolado das doenças da humanidade… em vez de uma bandeira não podiam ter desenhado um globo todo ele azulinho, ou o símbolo da paz?

Pergunto-me quantas daquelas mulheres marcaram presença nas manifestações dos anos que passaram para a paz no mundo, ou quantas dessas mulheres exercem o direito/dever de votar quando lhes é solicitado?

Elas as há, mulheres que contribuem para uma melhor sociedade… mas não serão as fúteis senhoras que vestem a bandeira e a pintam na cara, são as que defendem aquilo que uma bandeira pode significar… um lugar melhor, um refúgio para quem não tem opções a não ser lutar ou fugir, um lugar de paz…

Por isso Senhoras e senhores, vamos a escolher melhor quem ousamos seguir, e que batalhas travar, esta da bandeira, num extremo, e no outro o absurdo de querer estipular cotas de sexos nos partidos. E no meio tantas outras alarvidades que movem gente tontinha e mesquinha…preocupada com futilidades, enquanto os barões ainda aqui não assinalados, fazem o que querem por detrás deste palco de um circo de má qualidade que me enjoa…

Obrigar os partidos a manter uma cota de mulheres nas suas fileiras é tão violento como impedir casais homossexuais de adoptar filhos… percebem onde quero chegar?

As pessoas não podem ser obrigadas a participar, tem de ser voluntário, e a verdadeira luta é manter as escolhas em aberto, e dar as mesmas oportunidades quer a homens quer a mulheres… Devemos merecer um cargo, porque estamos à sua altura e porque para ele lutamos, e não porque somos de determinado sexo e fazemos falta nas bancadas para as contas baterem certas…

Tudo isto para dizer que as mulheres andam escolher mal os generais e as guerras…

Estou a chegar até vós?

Loud and Clear???

Monday, June 05, 2006

666 O Número da Besta

Sei de fontes fidedignas (os mui respeitados e conceituados 24Horas e Diário de São Jorge da Murronhenha) que vai ser lançado em breve aquele que promete ser o “the next best thing” no mundo literário do nosso país…….hmmm pronto do nosso distrito…….pronto vai abalar a comunidade do Cartaxo vá lá…

O livro promete abalar os alicerces da Igreja Católica, e curiosamente alguns cultos satânicos (como o núcleo sportinguista de Alhos Vedros). O livro intitula-se O Código da Paula Rêgo e o seu autor, Zé Venâncio, natural da aldeia de Tesinhos, diz que promete ser um livro tão ou mais controverso que a afirmação de heterossexualidade do Cláudio Ramos.

A premissa do livro (o livro tem mesmo uma premissa, ao contrário dos livros da Margarida Rebelo Pinto) tem tanto de simples como de polémico….

"Ouvistes dizer que o Anticristo vem [...] e já há muitos anticristos" (I Jo 2,18).
In Bíblia
O livro de Zé Venâncio vai muito longe…contraria as sagradas escrituras e diz que não é o nascimento de um menino que marcará o inicio da era das Trevas, Era do reino do filho de Satanás…Venâncio escreve que o Anti-Cristo (A Besta) é na verdade uma mulher, e não é uma mulher qualquer, é a sua própria…mulher!!! (entra efeito sonoro verdadeiramente assustador e fantástico).

No livro, Zé Venâncio (Bininho para os amigos), discorre sobre a maior mentira contada pelos cultos satânicos (núcleos sportinguistas) à Humanidade e sobre os poderes malignos da sua esposa. Tudo isto condimentado com a relação existente entre a Anti-Cristo e os quadros da Paula Rêgo.

Vide o quadro “Olga” de Paula Rêgo…todo o mundo acreditava que o quadro ilustrava uma mulher a dar colo a uma criança e a cantar os melhores hits do Avô Cantigas(http://www.saatchi-gallery.co.uk/artists/artpages/rego_paula_olga.htm) mas não…se observarem atentamente repararão que as faces são mesmo masculinas o que induz que a criança está claramente a realizar um ritual satânico e o homem está isso sim a cantar a musica vencedora do festival da canção 2006 (http://www.youtube.com/watch?v=fPVh0rZCti0&search=eurovision%202006%20finland) . A criança, segundo Bininho, é a própria esposa….

“Oh meu amigo, a mulher é uma ganda besta. Quer maior e melhor prova que essa hóme?”

“A mulher todos os meses tem umas alturas tão más que só podem ter origem em ordens do próprio Lúcifer…qual período qual o quê pah?”


Assim, parece que o Anti-Cristo é na verdade A anti-Cristo…A mulher é a Besta!
Ao Inferno que elas nos fazem passar...

Agora a sério…qual foi o homem que ficou supreendido?
O primeiro homem a escrever-nos ganha um livro da Margarida Rebelo Pinto, o novo CD do Avô Cantigas e uma cópia autografada do novo Livro de Bininho.

Sunday, June 04, 2006

A origem da espécie

Não consigo encontrar a origem dos meus problemas relacionados com a minha insegurança e o meu medo do compromisso.

É certo que por duas vezes a minha mãe me deixou sozinho em casa.A primeira foi no Natal de 1990 e tinha eu 8 anos de idade. A casa estava cheia de familiares..talvez uns 30... entre primos, tias, tios, manos, manas, pais e avós.A ideia da família era passar uma noite lá em casa e depois irmos todos juntos, em carrinhas alugadas, para o aerporto embarcar no avião que nos levaria a França-Paris onde tínhamos planeado passar a véspera de Natal e o Natal.

O que é que se sucede? 30 pessoas numa casa de 5 assoalhadas é garantia de confusão do caneco na hora do acordar, lavar, vestir e partir...isto sem contar com o facto de termos acordado já com um grande atraso.Conclusão:Toda a gente partiu nas carrinhas e no meio da confusão deixaram-me sozinho em casa. Na altura não havia telemóveis para contactar com a minha mãe de maneiras que ela só deu pela minha falta em pleno voo e a meio caminho de Madrid.
Uma dupla de bandidos andava a vigiar a vizinhança nessa semana e descobriu que a minha casa ia estar vazia durantes uns dias...sabiam que era a ocasião das ocasiões para levarem a fortuna da família e todo o recheio da casa(eram mesmo idiotas..o que mais tinha de valioso em casa era uma fotócopia a preto e branco das cuecas usadas pelo Eusébio na final da Taça dos Campeões Europeus de 62)

O que é que se sucede?A dupla de bandidos era na verdade uma dupla de asnos com um QI combinado de 5 e durante vários dias andei a pregar-lhes partidas com armadilhas que espalhei pela casa para os impedir de a assaltarem.A minha favorita foi o truque das latas de tinta e o ferro de engomar no bandido mais pequenino. Não só consegui impedir que eles me assaltassem a casa como chamei a polícia. A minha mãe entretanto chegou a casa muito chorosa e pediu-me desculpa por se ter esquecido de mim.

A segunda vez que a minha mãe se esqueceu de mim, foi tambem no natal mas desta vez no ano de 1992, já eu tinha uns valentes 10 anos, mas desta vez perdemo-nos no aeroporto e acabámos por tomar aviões diferentes. A família foi para a Flórida e eu fui para Nova Yorque. O curioso é que voltei a encontrar a mesma dupla de bandidos idiotas, e eles perseguiram-me até a uma casa abandonada onde voltei a pregar-lhes muitas partidas. Claro que voltaram a ser presos e a minha mãe voltou para os meus braços e pediu novamente perdão por se ter esquecido de mim.

Pergunto-me se terá sido esses episódios a marcarem a minha relação de confiança com o sexo feminino. Naaaaa acho que o facto de elas serem umas doninhas mentirosas compulsivas, que só estão contentes quando nos espezinham, mentem, enganam, espezinham, fingem orgasmos,enganam e.....ah e espezinham, são os verdadeiros motivos para eu ser um tipo extremamente debilitado em termos de confiança no sexo feminino. A mim não me enganam elas pah...o que elas querem sei eu pah...e agora o meu coração só dou para transplante ou para trocar com as cuecas originais do Eusébio na final de 62. Aproveito também para divulgar que estou a vender a minha televisão para comprar um vídeo...Alguém?

Eu "gaija", quero apenas:

Só e tão simplesmente a luz da Lua cheia num quente país tropical e quatro paredes de madeira erguidas na mata atlântica, e ouvir o barulho das aves nocturnas, e os passos dos felinos, e o coaxar das rãs, e já agora da água que corre no regato e as vozes das ninfas que o habitam, e se não for pedir demais frutas tropicais coloridas colhidas por fadas no final da tarde.

E um banho de mar, e o cumprimento, os beijos e carinhos dos botos, e o abraço da areia quente e do vento morno que me aquece e amacia a pele. E olhar em frente e não distinguir horizonte, a linha do horizonte não existe, as linhas e os limites são fictícios.
E vaguear pela areia, apanhar conchas e oferecê-las ao mar.

E caminhar à chuva, confundir a terra com os pés e os pés com a terra, gritar e esperar que alguém me oiça, chorar e esperar que alguém me console, arranhar-me e magoar-me e esperar que alguém me cure.

E por ultimo, mas não menos importante, um corpo ao meu lado, para me ouvir, para me consolar para me curar. Ao lado, não.... um corpo colado no meu, pensamentos individuais, e suor, lágrimas e paixões em comum.

Saturday, June 03, 2006

Normas de Etiqueta a Comer à Mesa

Os talheres são para usar pela ordem certa e em função do que estás a comer.

Não deves encher a boca com grandes quantidades de alimento, mas pequenas porções, para saborear melhor e não perder a sensualidade, verás que saberá muito melhor.

Não deves mastigar de boca aberta e só poderás falar quando tiveres engolido todo o bolo alimentar.

Também não é agradável fazer muito barulho a mastigar pelo que um ou outro gemidos de prazer e apreciação pela refeição servida serão tolerados, mas não exagerem.

Não devemos fazer conversa fiada enquanto comemos, mas sim referir apenas o essencial.

Usar os dedos ou as mãos só em casos específicos e quando todos os que estão à mesa fizerem o mesmo.

Não devemos afastar o prato nem os talheres até todos se sentirem satisfeitos, devemos sim esperar que a companheira ou acompanhantes acabem primeiro, mesmo que isto signifique termos que nos servir novamente, por uma questão de delicadeza.

Devemos provar um pouco de tudo o que nos é servido, de forma a honrar a confecção da refeição e não insistir durante toda a refeição no mesmo prato, até porque se tornará enjoativo.

Como é óbvio, a refeição deverá acontecer dentro do prato e devemos evitar transbordar comida para fora do mesmo, assim devemos servir pequenas quantidades, e não ter mais olhos que barriga, ter também especial cuidado quando levamos à boca a garfada.

Chamo ainda a atenção para o caso de estarmos a alimentar alguém, num acto romântico ou no caso dela ser deficiente e não puder pegar nos talheres, devemos esforçar-nos de igual modo para não carregar muito a garfada assim como o cuidado de a meter toda lá dentro, da boca.

No fim sim, será agradável conversar um pouco, enquanto se toma um digestivo ou se descansa um pouco, porque comer também cansa.

Friday, June 02, 2006

Vejamos a vida tal como ela é!

Deixemo-nos de sexismos...só por hoje...!
As mulheres não são frígidas, nem crueis, muito menos calculistas... da mesma forma que nem todos os homens são obcecados por cerveja e futebol ( ou será que são? Se forem avisem-me já que corto os pulsos com os punhais do desespero!)

Quero voltar à genética:sexo feminino XX, sexo masculino definido por: XY.
Afinal que informação contém o cromossoma X? Ele é comum em ambos os sexos!

Como bióloga passo a explicar: o cromossoma X contém informação que estimula umas enzimas específicas a apagar os desamores mais intensos que nos vão surgindo neste circo suspenso a que chamamos VIDA. Graças aos genes desse cromossoma, vivemos os mesmos desamores, over..and over...and over again, nunca nos recordamos do desamor anterior, e pulamos de cabeça para o desamor seguinte.

Estes genes permitem-nos dançar o ballet mais bonito do Universo numa corda bamba. Se não fosse a presenca deles, saberiamos à priori que a qualquer momento a corda pode ficar menos tensa, ou que podemos falhar um passo da coreografia, ou perder o equilíbrio, ou que o corpo mais tarde ou mais cedo vai ser vencido pelo cansado e que há-de cair redondo como uma melância. E que lá em baixo, não há chão, não há cama elástica, e que lá em baixo não está ninguém de braços abertos para nos segurar, apenas um buraco negro em espiral que nos suga para um país das maravilhas a preto e branco, onde as flores não têm cor, são inodoras, um país das maravilhas sem a rainha de copas.

E sair desse país é difícil, quase tão difícil como sair da ilha do Fidel. E quando saímos desse país triste que nos consome toda a energia branca que contemos, caímos exaustos na cama que nos viu crescer, os lençóis embalam-nos e sentimo-nos calmos e protegidos. É nesse instante que a lua lança um novo feitiço e envia milhares de estrelas que invandem todas as células do teu corpo e as colocam a sintetizar amor até um determinado nível que nos dê coragem para voltar a dançar na dita corda. Óbvio que a parte da coreografia falhada na última dança foi “deletada” pelos genes do X, caso contrário morreriamos de amor sem colocar um pé na corda.

Resumindo, porque sou pouco sucinta!
A lua dita o nosso destino, o cromossoma sexual que homens e mulheres têm em comum, permite-nos dançar vezes sem conta um ballet de beleza indescrível, e nós escolhemos as coregrafias que desempenhamos na corda. Nós não, mas sim o segundo cromossoma que dita o nosso sexo, no caso das mulheres o segundo X no caso dos homens o Y. O “ciclo de desamor” é igual em ambos os sexos, só muda a coreografia!!

Thursday, June 01, 2006

O Capitão Coquilhas

Não é importante quem é o Capitão Coquilhas, o importante é o seu super-poder. O super-poder do Capitão Coquilhas é o melhor de todos...claramente superior ao Super-Homem, Batman ou Homem-Aranha. O Capitão Coquilhas tem o super poder de entender as mulheres e isso fá-lo ser único no mundo dos super-herois. O Capitão C. é o único que depois de fazer amor com elas, as abraça e fala com elas sem adormecer…o Capitão Coquilhas é o único que vai sair com elas no dia da final da Liga dos Campeões entre o Benfica e o Sporting…o Capitão Coquilhas é o único que elogia todos os dias as roupas que elas trazem vestidas…o Capitão Coquilhas é o único que só tem prazer depois de lhes dar prazer…os poderes do Capitão são infinitos…e por isso mesmo o número de gaijas que ele poderia levar para a cama ultrapassam o número de jogadores comprados na Era do Artur Jorge nos tempos de Benfica.

Mas todo o super-herói tem o seu arqui-rival, no caso do Capitão C. é a Mulher-Amarga. A Mulher-Amarga é uma gaija que está permanentemente a convencer-se que os homens são uns trastes…que merecem o banho eterno de fogo e enxofre…isto porque teve uma má experiência no passado. O poder da Mulher-Amarga é o poder do recrutamento. Está a conseguir aumentar o número de seguidoras de dia para dia…a situação é crítica meus amigos…crítica…

As Grandes diferenças

Eu não queria que uma guerra dos sexos se travasse aqui, mas é impossível conter as animosidades que chovem de ambos os lados para esta pequena clareira de lucidez…

Entre Homens e Mulheres há muitas diferenças, e passo a apontar algumas das que estão cientificamente provadas;

A diferença entre o poder intelectual de um Homem e de uma mulher da mesma idade e de contextos semelhantes também é abismal. Durante milénios o convívio social entre homens era feito em torno da criação de engenhos para caçar e pescar, (quão inteligentes seriam essas conversas? Já ouviram nos dias de hoje um grupo de caçadores/pescadores a falar???), enquanto que as mulheres ficavam nos acampamentos a crescer no campo da comunicação e controle de emoções… com o tempo tornamo-nos meros fantoches num palco tecido pela manha das fêmeas… Ex: Enquanto as crias masculinas tentam competir fisicamente pela posse de um objecto ou brinquedo as fêmeas partilham o mesmo, fazendo-o rodar entre elas e esperando civilizadamente a sua vez… (isto só prova que são seres calculistas, frios e desumanos…)

O Homem é um ser muito simples, quimicamente falando, e a sua distância à mulher é talvez proporcional à distancia evolutiva entre as plantas e os animais, os animais produzem uma quantidade ínfima de substancias químicas comparada com a quantidade que lhes é fornecida pelo reino vegetal. As mulheres, tal como as plantas são uma complexa e intrincada malha de relações químicas cujas reacções, quando em contacto com algumas estúpidas atitudes masculinas, são imprevisíveis, destruidoras, vingativas e altamente calculistas… Ex: O simples facto de nos esquecermos do seu aniversario pode trazer sobre nós uma imensa força destruidora que nos deixará o campo da mente improdutivo durante anos a fio.

Sobre o prazer, há muito tempo que é uma evidência cientifica que as mulheres não tem orgasmos, elas fingem simplesmente, e o prazer que elas tem numa relação sexual em relação ao prazer que o homem retira da mesma está directamente relacionado com as proporções entre o pénis e o clítoris, logo percebemos, pela diferença de tamanho entre ambos os órgãos, que nós nos divertimos muito mais do que elas. Assim elas usam o sexo apenas como forma de nos controlar, como o treinador de golfinhos que dá uma sardinha ao bicho quando uma manobra foi bem executada. Portanto as mulheres não se vem elas vão-se e usualmente levam com elas o dinheiro e os filhos…

… e, tenho dito!